Desmistificando a toxoplasmose...

Olá meninas... Espero que tenham tido uma semana produtiva.

Hoje vamos tratar da toxoplasmose e o caminhão de mitos que giram em torno da doença, das formas de contágio e, sobretudo, da mania alarmista e desinformada que muitas pessoas tratam a patologia sobretudo em relação ao seu principal hospedeiro – os gatos.


Não é de hoje que gatos são abandonados por suas famílias porque a mulher engravidou e não pode “se arriscar”. Tantas outras vezes os pobres animais foram sacrificados em massa por ser hospedeiro do oocisto sem qualquer respaldo para medidas tão cruéis. Entretanto, o homem, do alto de sua impáfia, custa admitir sua crueldade e prefere chamá-la de auto-defesa.


A toxoplasmose é uma zoonose cosmopolita provocada pelo protozoário Toxoplasma gondii. Este é considerado um eurixeno (capaz de infectar animais em diferentes níveis da escala zoológica).


O toxoplasma gondii é um parasita intracelular que invade todos os tipos de células nucleadas do organismo do hospedeiro (pancitotropismo), mas sua afinidade maior é pelas células do sistema fagocítico mononuclear, pelos leucócitos e pelas células parenquimatosas.


Os hospedeiros definitivos são os felídeos. É no organismo dos gatos infectados que ocorre a formação do oocisto, forma infectante que contamina o meio ambiente, outros gatos e o ser humano.


A Toxoplasmose é uma doença considerada benigna, pois quando uma pessoa sadia entra em contato com o parasita, as próprias defesas do organismo são suficientes para evitar maiores danos. No entanto, dependendo do estado físico (má nutrição, stress, doenças imunodepressoras, transplantes, gravidez, etc) pode acontecer queda das defesas orgânicas e o indivíduo desenvolver uma das formas da doença.


A forma assintomática constitui a maioria dos casos e sua importância está na possibilidade da transmissão congênita quando ocorrer durante a gravidez.


Existem casos em que os elementos clínicos são escassos e constituídos por febre de curta duração acompanhada por outros distúrbios não característicos que não permitem uma suspeita diagnóstica correta, em outros casos, os sintomas apresentam-se bem evidentes.


A linfadenopatia (aumento dos linfonodos) acometendo principalmente a cadeia cervical, em especial a posterior, é a manifestação mais freqüente.


A febre é outro sintoma bastante comum, com sua freqüência variando em diferentes porcentagens. Pode ser elevada, às vezes contínua, outras com predomínio vespertino, e rarissimamente apresentam duração superior a um mês.


Hepatoesplenomegalia em um terço dos casos, mialgias, sudorese noturna, dor de garganta e erupções cutâneas também são alterações clínicas freqüentes.


Algumas vezes o quadro clínico assemelha-se ao da mononucleose infecciosa, inclusive com elevado número de linfócitos atípicos no sangue periférico. A forma linfoglandular é benígna e autolimitada com os sintomas desaparecendo em poucas semanas.


A meningoencefalite, também conhecida como toxoplasmose cérebro-espinhal, é uma forma clínica não muito freqüente em pacientes imunocompetentes e tem prognóstico sombrio.


A coriorretinite é a lesão mais freqüentemente associada a toxoplasmose. Quando o Toxoplasma gondii atinge o olho, ele provoca uma lesão característica (patognomônica), essa lesão pode levar a perda parcial e mesmo total da visão se o diagnóstico e tratamento não forem realizados com brevidade.


Como se pode perceber, falar em toxoplasmose não é um assunto dos mais simples. A doença pode ter forma agressiva e o prognóstico pode sim ser muito negativo. Entretanto, há muita mistificação em torno do tema e os principais afetados são sempre os gatos.


É comum ver um obstetra dizer a uma mulher grávida que ela precisa se desfazer de seu gato, sob pena de por em risco a saúde do seu bebê.


Honestamente, passar quase 10 anos dentro de um curso universitário para falar um absurdo desses é, no mínimo ignorância e, na maioria das vezes, uma das piores falhas de caráter que o ser humano pode ter – a crueldade.


Profissionais que se apóiam em mitos ultrapassados como esse certamente não estão se atualizando na sua profissão, então, é uma temeridade continuar com eles durante uma gestação – eles, obstetras, não eles, gatos!


Há muito tempo o gato deixou de ser o grande vilão da toxoplasmose. Sim, o animal pode transmitir a doença. Mas é preciso saber em quais condições e que há outros meios de transmissão muito mais perigosos.


Infelizmente ainda há quem entenda ser mais fácil apoiar-se em crendices tolas do que pregar a bunda na cadeira e estudar! Lamentável!


Vale a pena lembrar que o protozoário em tese vive em uma grande variedade de animais de produção ou de estimação, como aves, bois, ovelhas, porcos, cabras, cães, animais silvestres e a maioria dos animais vertebrados terrestres. Chega de condenar os pobres gatos como se fossem uma praga transportadora de toxoplasmose!


Todos esses animais podem se infectar através da ingestão de outros animais já contaminados pelo toxoplasma gondii, no contato direto com a terra contaminada ou pela ingestão de água contaminada.


Com exceção do gato, os outros animais não eliminam o parasita para o ambiente. Isto é, após a contaminação, o parasita passa por um ciclo de vida no organismo do animal, até que este organismo desenvolva imunidade e o parasita, em uma forma latente, se aloje nos músculos do animal, onde podem permanecer por muitos anos.


No tocante aos gatos, eles se contaminam principalmente pela ingestão de pequenos animais ou insetos como ratos, lagartixas, pássaros ou carne crua de animais que já estejam contaminados.


O mito sobre esta doença ao redor dos gatos existe porque os felinos são os únicos animais que eliminam os ‘’ovos’’ (oocistos) deste parasita para o ambiente.


Isto se dá através da fezes. Porém, para que as fezes se tornem contaminantes, devem permanecer em contato com o ar por um período de 5 dias. Os gatos portadores da toxoplasmose só eliminam fezes contaminadas por uma vez, durante um período de até 2 semanas.


Após este período adquirem imunidade e, em geral, não voltam mais a eliminar os ovos nas fezes, mesmo se forem re-contaminados.


Somente em casos de queda da imunidade geral do felino, eles podem voltar a excretar fezes contaminadas. Porém, durante uma segunda infecção, o número de ovos excretados é muito menor do que na primeira infecção.

A maioria dos gatos que caçam, ou seja, vivem livres, são freqüentemente expostos ao Toxoplasma gondii, se mantendo, portanto, imunes. Ou seja: de tanto conviver com a doença, eles adquirem imunidade contra ela.


Freqüentemente os donos de gatinhos de estimação solicitam orientação aos veterinários sobre a toxoplasmose. Segundo relata a veterinária Cristiane S. Martins no livro Medicina e Cirurgia Felina:


“Se boa parte dos profissionais da saúde ainda possui muitas dúvidas a respeito das modalidades da infecção humana, do perigo potencial deste parasita nos vários segmentos da população em risco e do verdadeiro papel do gato doméstico na transmissão da doença. Não é de surpreender assim que a população de maneira geral esteja mal informada a respeito do problema. Dessa maneira, muitos médicos e veterinários ainda fazem recomendações, quanto aos animais de estimação, baseadas, muitas vezes, em preconceito e desinformação."


O contágio do ser humano se dá principalmente pela ingestão de leite (principalmente de cabra) “in natura” (ou seja, sem pasteurização); carnes (principalmente carnes de porco, cabrito, carneiro e coelho) cruas ou mal cozidas; água contaminada (de locais onde não há saneamento básico); frutas e verduras mal lavadas ou pelo contato com terra ou areia contaminadas por fezes de animais doentes.


O simples ato de temperar um bife usando as mãos pode ser uma forma de contágio. Os utensílios utilizados no preparo das carnes, se não forem bem lavados, também representam uma possibilidade de ficar exposto à doença.


A infecção nas pessoas normalmente passa despercebida, sendo detectada somente através de sorologia. Em 10% à 20% destas pessoas são percebidos alguns sintomas como febre, dores de cabeça e dores musculares. Muitas vezes, devido a similaridade dos sintomas, estas infecções são diagnosticadas como gripe.


Apesar do mito que se criou em torno deste assunto, é pouco provável que uma pessoa contraia a doença pelo contato direto com um gato contaminado.


Para que ocorra o contágio é necessário que se consuma um alimento que teve contato com as fezes que contenham ‘’ovos’’ contaminantes e que estas fezes tenham ficado expostas ao meio ambiente por 5 dias. Sendo assim, o contato com as fezes frescas não é capaz de causar a infecção.


Portanto, hábitos simples de higiene como limpar a caixa de areia diariamente lavando as mãos em seguida, lavar as mãos e os alimentos antes da refeição são importantes para se evitar a doença.


Geralmente as fezes do gato sadio são firmes. A menos que o gato esteja doente muito pouco ou nenhum resíduo de fezes ficará na região perianal. Outro fato é que normalmente os gatos não estão diarréicos durante o período que excretam os ‘’ovos’’ contaminantes.


Por causa do conhecido hábito de limpeza dos felinos, não se encontra resíduos de fezes em sua pelagem. Assim, a chance de transmissão da doença por acariciar um gatinho ou tê-lo como seu animal de estimação é mínima ou inexistente.


Desta forma, conclui-se que o meio mais provável de contato do humano com a doença se dá através do contato direto com a terra ou água contaminada, um exemplo: caixas de areias de parques e praças públicas, já que é habito dos felinos enterrarem suas fezes na terra fofa ou areia.


Os insetos, como as baratas, também devem ser considerados como uma forma de contágio, visto que estas podem contaminar diretamente os ambientes, e manter a contaminação de ratos e gatos, inclusive os domésticos, devido ao hábito de caçar e ingerir baratas.


Ou seja, se você tem higiene para comer, se sua casa é limpa, se você entende que os animais são amigos e não alimento, se você anda sempre calçada e não tem o costume de comer cocô velho, não pegará a doença ainda que tenha 1000 gatos em casa e sofra 1000 gestações.


Os gatos são animais incríveis, lindos e sadios. Feio e doente é o preconceito. Tenham um bom fim de semana...


12 comentários:

  1. Hahahaha... Melhor esse povo parar de comer cocô!!
    Meu gato dormiu em cima da minha barriga a gravidez toda, exatamente como tem feito nos últimos 12 anos!
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo post!!!

    Se um dia eu tiver filhos quero que eles tenham o mesmo amor e respeito que eu tenho pelos animais...

    Que isto fique de alerta para essas pessoas ignorantes por aí!

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Oi, eu não poderia deixar de comentar.
    Minha cunhada sempre foi contra qualquer tipo de animal de estimação, eu amooooo bichinho ao cubo, indiferente se é gato,cachorro, papagaio...... Qdo engravidou ela não vinha em minha casa pq tenho uma poodle, pq ela podia pegar alguma Doença, fresumindo infelizmente no 6 mes de gravidez adquiriu toxoplasmose mesmo sem ter contato com nenhum bichinho, conclusão pegou de verdura mal lavada desses super mega restaurante e minha sobrinha além de ter nascido pré matura ficou com sequela. Isso é prova que não podemos nunca discriminar nada e nem ninguém, pq qdo é pra acontecer.... Só Deus pra dar força.
    Beijos
    Dani

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Sempre fui uma apaixonada por gatos e minha vida inteira convivi com esses seres tão especiais... Quando engravidei, há 11 atrás, a família do meu marido fez de tudo para eu me livrar do meu bichinho, mas eu não abri mão, além disso meu obstetra me tranquilizou na época dizendo que não havia problema algum. Meu filhote nasceu lindo e saudável e meu gatinho até hoje (já com 13 anos), alegra nossa família!!! bjssssssssss

    ResponderExcluir
  5. gostei muito das explicações sobre a doença,dispensar um gatinho sem dó nem piedade é desumano,os meus gatinho akid e casa são minha alegria de cada dia,mas é uma pena que pessoas desinformadas gostam de ficar ainda mais sob a sombra ao ver a luz


    bjusss

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Janaína! O conhecimento ainda é a nossa grande arma contra a ignorância. Mas infelizmente nem o conhecimento pode salvar os animais da crueldade humana.

    Quando engravidei da primeira vez...e já tinha a minha leva de cachorros ouvi histórias de todos os tipos, que incluiam a possobilidade de eu matar a minha filha por causa da toxiplasmose até histórias de animais que mataram crianças por ciúmes...

    Pelo amor de Deus! Deixava entrar por um ouvido e sair por outro. Aliás ainda adotei um cachorro durante a gravidez da minha filha e mais dois durante a gravidez do meu filho. Um deles esquelético e mau tratado por sua ex-dona, grávida, que disse ter tomado asco pelo animal por causa da gravidez...o que me fez quase sair de casa com o barrigão e esmurra-la. Um acerto de contas entre grávidas.

    Minha prima sempre teve gatos, felizmente tb teve um obstreta lúcido e filhos saudáveis q tb amam os animais. Outra conhecida que tb tem vários gatos...vários mesmos, chegou a receber a notícia que sua fiha nasceria cega por causa da doença...pois bem, hj ela é uma adolscente que enxerga bem melhor que eu...que nunca tive gatos (infelizmente!).

    Enfim a ignorância leva a crueldade, mas quem é cruel, por natureza, busca em supostas teses o perdão por seus delitos baseados no que vc chamou de auto-defesa.

    Vale lembrar...que por exemplo a zona sul de São Paulo abastecida pela represa Gurapiranga, repleta de construções irregulares em seu entorno, de pessoas que liberam seu lixo e esgoto naquelas águas...que a Sabesp faz chegar até os domicílios através da torneira é muito mais contaminada que as fezes de qualquer animal de rua.

    E essa é a nossa realidade. São Paulo recolhe - e isso não significa que trata - apenas 35% do seu esgoto...de áreas regulares...ou seja, 65% de areas regulares e nenhuma área irregular tem coleta ou tratamento de esgoto na maior cidade do país.

    E ninguém faz nada a respeito. Se o governo estivesse preocupado com a saúde de seus moradores, trataria de eliminar este grandioso probema, ao invés de torrar 1 milhão de reais em publicidade pra tentra converncer os brasileiros que testes em animais são necessáris e salvam vidas...

    Quais vidas??

    Talvez a do nosso vice presidente José Alencar que possui uma conta recheada e pode pagar os melhores hospitais deste país.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Oi, muito legal sua postagem... tenho 2 gatinhos e estou tentando engravidar... mas nem penso em ficar sem meus companheiros felinos. O mais importante, é o asseio e o amor/respeito que devemos aos animais! Gostei do seu blog. Vou seguir!

    Andreia

    ResponderExcluir
  9. Adorei o post muito explicativo... è sempre bom deixar as pessoas nformadas! uiaheuiae... Passei pra deixar minha marquinha Aquiiiiiiiii!!! Agora estou esperando você passar no meu blog viu!? Sua presença lá é mais do que importante pra mim! é essencial!

    http://mirzabraga.blogspot.com
    http://twitter.com/mirzabraga

    Beijão da Mih!

    =D

    ResponderExcluir
  10. ANNE: Que coisa linda, querida! Vc bem que podia mostrar alguma foto pra nós né? Parabéns pelo exemplo que vc deu do que é ser uma grávida lúcida! Bjn...

    LUANA: Obrigada, querida. E respeito é um valor que certamente podemos compartilhar. Tua postura será seguida pelos filhos que virão. Bjn...

    DANI: Sinto muitíssimo por tua sobrinha, querida! E que pena que a mãe dela foi tão cega ao ponto de ver mal onde não havia e com isso esquecer uma porta aberta pro mal entrar despercebido! Que seus olhos agora sejam abertos e atentos! Bjn...

    LILIANA: Parabéns pela postura firme, moça! Você mostrou claramente que valores, quando existem, são fortes e enraizados em quem os cultiva! Seu bebê de 13 anos e o teu bebê humano tem muita sorte em viver com vc. Bjn...

    JOELMA: Só os mais sensíveis são capazes de se alegrar por estar prto de um bicho, querida! Infelizmente não vivemos num mundo de sensibilidades reais! Parabéns! Bjn...

    MARI: Vc é acima da média, moça. Obviamente deve irradiar solidariedade pela família e amigos. Costumamos atrair energias semelhantes. Não me surpreende a tua prima ter a mesma postura ética que vc. Minha mãe, solidária sem sentir, adoeceu durante a gravidez. A espectativa era que o bebê tivesse seqüelas bastante sérias. E teve! Nasceu com um nó na garganta que não se desfez durante a vida toda diante de monstruosidades contra animais. Não sei como será o seu fim, mas asseguro que já está em sua terceira década de vida com a saúde perfeita e o mesmo olhar aguçado de sempre. Muito prazer: eu sou a seqüela da doença de mamãe. Perfeita da cabeça aos pés. Nem gripe eu pego! A pior doença que sempre acometeu, ainda acomete e infelizmente parece que assim permanecerá é a ignorância. E contra ela, só dois remédios: conhecimento e boa vontade. Que sabemos, não é para todos. Bjn...

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. ANDREIA: Em nome das meninas que aqui escrevem e da Thata, nossa deusa, seja bem-vinda! Parabéns por tua postura ética. Estou certa que os teus gatos serão uma maravilhosa influência para o teu bebê! Bjn...

    MIRZA: Obrigada querida... Bjn...

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário e pela visita!

Se seu comentário for uma pergunta, pedimos que deixe um e-mail de contato, pois não conseguimos responder comentário anônimos!

Ju e Thata

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Sem firulas © Layout criado por: Algodão Doce Design
imagem-logo